18 de janeiro de 2016

As maiores "sujeiras" que "não encontramos" num quarto de hotel!


Imagine uma bela viagem de férias com estadias em hotéis que cabem no orçamento ou, se a vida lhe agraciou com mais recursos, num belo hotel 5 cinco estrelas ou um resort!

Pois é, tudo isso parece lindo pois terá gente para te servir, arrumar teu quarto e atender a teus pedidos até dentro da referida habitação se assim o desejar (tudo isso tem um preço, mas às vezes, por um relax a mais vale a pena)...SERÁ?


Então vejamos: 

Se você é um tremendo "casca grossa", um estúpido que está se achando só porque, de momento, hospeda em um hotel de luxo - CUIDADO, você pode ser a vítima perfeita para os camareiros e até para outros empregados que servem o quarto e o bar que frequenta.

Uma recente publicação revelou as pequenas vinganças feitas por empregados de hotéis e bares.  Um aplicativo chamado Whisper foi o meio utilizado por centenas de funcionários de hotéis para publicação de suas atitudes; pequenas vinganças aplicadas a hóspedes insuportáveis ou mesmo atitudes orientadas pela diretoria para economizar água, tempo, serviço e cumprir metas.

O referido aplicativo é um meio das pessoas publicarem seus "feitos" de forma anônima.  Ele tem sido uma excelente ferramenta que muita gente encontrou para confessar "pequenas travessuras" no mundo da hotelaria, coisa que grande parte das pessoas que viajam já devem saber de cor.

Como já disse antes, em algum de meus artigos, sou uma pessoa que gosta e viaja muito, quando posso e tenho recursos suficientes; todavia, também já tive oportunidade de compartilhar espaço com várias pessoas, de vários países, quando morava em Lisboa.  Muitas delas estudavam, outras apenas trabalhavam - eram imigrantes. Duas se tornaram amigas e por acaso eram camareiras de distintos hotéis na cidade de Lisboa.

Já me haviam dito que praticamente nunca lavavam os copos que ficam disponíveis em cima do frigobar e que muitas das vezes, ao entrar nos quartos, enquanto os hospedes ainda estavam, para fazer a faxina diária encontraram esse referidos copos com dentaduras dentro.  Ao saírem, elas, para se vingarem do próximo, mesmo sem antes conhecê-lo, não lavavam o copo, não o higienizavam - apenas passavam um pano, que podia ser, inclusive, o da cama que os hóspedes anteriores haviam deitado.

Tudo isso elas diziam que quando não era por raiva, ou por falta de tempo era por preguiça mesmo!  Mas o mais interessante é que, muitas das vezes, a maioria das coisas nojentas a passar dentro dos quartos já são orientadas pela chefia.  Um chefe que diz para não trocar lençóis dum hóspede para outro se o lençol aparenta limpeza (apenas sacudí-lo para tirar o excesso de pó e possíveis cabelos e pelos); colchas que nunca são trocadas de um para outro e lavadas a cada seis meses ou ano, dependendo do estado dela; banheiros e box que não são lavados, apenas passam um pano para secar e já colocam outro cliente (deixando-o a margem de germes e possíveis doenças).

Agora imagine se você é um cliente chato e exigente.  As minhas antigas conhecidas diziam que nesses casos elas(es) faziam horrores com o quarto dele e se for num bar ou um pedido de comida no quarto, comem um pouco dela e se existe algo que possa esconder alguma nojeira elas(es) não pensam duas vezes em dar uma cuspada no suco ou encher a comida com uma escarrada, misturada a algum patê ou molho.

No entanto, se você for muito gentil e generoso de forma espontânea, não por medo de ser sabotado, também poderá ser recompensado com um "apgrade" na habitação. Trocas a mais e produtinhos de higiene especiais serão alguns pequenos mimos que você pode conseguir até de parte da camareira - mesmo sem autorização da chefia!



Todavia não são apenas os hotéis a fazer vingança com clientes chatos.  Isso que vou contar agora "vi com meus próprios olhos" quando vivia em Lisboa e tive que trabalhar, algum tempo, de garçonete (lá são chamadas "empregadas de mesa").

O restaurante que trabalhei era bastante chic - infelizmente mas não posso citar o nome para não colocá-lo no ridículo.

Nele havia o restaurante e um excelente bar na parte de baixo. Quando o movimento era grande e um cliente enchia muito o saco com exigências ou reclamações absurdas o pessoal da cozinha ou do bar lhes davam o "merecido".  Não direi qual era o merecido, não vale a pena; mas até voltar com o prato sem fazer absolutamente nada o pessoal fazia - só para ver se aquilo de que ele reclamava era verdade ou estava sendo chato pelo simples fato de gostar de ser chato....muitas vezes funcionou e, nesses casos o cliente dizia que prato, quando voltava, estava ótimo - quando na verdade nem tinha sido mexido.

Dessa forma creio que a melhor maneira de fugir da maioria dessas nojeiras e atitudes hostis é ser simpático, gentil e generoso, em especial se você é um grande gastador, gosta de esbanjar num ambiente de luxo ou nem tanto. E por que isso?  Porque você está mostrando que tem e se tem e gasta muito, dá muito trabalho, e se dá trabalho tem que recompensar quem lhe serviu pois, apesar de dar lucro para o restaurante ou hotel você só se usou do trabalho de alguém - um mimo para o funcionário não te fará mais pobre depois de tantos gastos com "os amigos" e com o ambiente - CREIO EU!

Boas maneira, gentilezas, carisma e generosidade (um pouco de desprendimento) não fazem mal a ninguém e ainda irão te proporcionar belos momentos de descanso numa habitação limpa e cheirosa como se estivesse em casa.  Pior coisa do mundo é sair de nosso lar e "dar de cara" com um ambiente asqueroso, mal cheiroso, cheio de pelos suspeitos, lençóis manchados com sei lá o que e nem sequer poder reclamar pois correrá o risco de o que está ruim ficar ainda pior - portanto, "abrir a mão" e se hospedar num lugar mais qualificado é a melhor forma de se ser gentil e generoso pois uma coisa leva a outra.

Quando nomeei esse artigo como "As maiores "sujeiras" que "não encontramos" num quarto de hotel", pensava nas sujeiras e nojeiras ocultas!   O ramo da hotelaria sabe muito bem "maquiar" o ambiente, o jeito é tomar cuidado na hora da reserva pois a sua viagem de férias pode muito bem se tornar uma pesadelo e não um belo divertimento - a não ser que você não se importe, aí a conversa é outra!

Por Elane F. de Souza , Advogada e autora deste Blog
Postar um comentário