3 de março de 2016

Programa “Minha casa minha vida” é pesadelo de muita gente!

É difícil suportar a vida num país onde o que prolifera é a injustiça, a corrupção, os conchavos e a acima de tudo a falta de segurança.

No Brasil quase nada funciona.  Quando o governo proporciona alguma facilidade para o trabalhador adquirir o tão sonhado imóvel por exemplo; dependendo da cidade onde ele estiver, é quase certo que a pessoa “sorteada” receberá consigo, além das chaves, e um boleto para pagar as prestações (já que não é de graça) um “presente de grego”vem junto.

Explicaremos: pessoas que conseguiram adquirir, com muito custo, gastando as economias de uma vida para conseguir a casa própria na região do Campo Grande no Rio de Janeiro, estão, desde 2010 vivendo um pesadelo diário (perseguição da milícia com cobranças e abusos – esse é o presente de grego que vem junto com as chaves).

Em 2015 tive o privilégio de “conhecer” um herói!  O uso das aspas anteriormente é para explicar que não o conheço pessoalmente – apenas por ligações telefônicas, mensagens whatSapp, noticiários na internet, jornais e telejornais; infelizmente, sempre notícias ruins relacionadas a ele.

No entanto, na história que passo a contar existe um outro herói; o primeiro, que já disse “conhecer” chamarei de Sr. R por medida de segurança sua e da família; já o outro posso, abertamente, mencionar nome e ofício. Trata-se do Padre Polonês Pedro Stepien responsável por uma paróquia no Gama, região metropolitana do Distrito Federal de nome Nossa Senhora do Perpétuo Socorro.



Essas pessoas, apesar de não conhecê-las, acredito ser pessoas espetaculares, além de corajosas são dois seres humanos dignos de aplauso. O Sr. R por não abaixar a cabeça diante do imenso problema que lhe afeta.  Sem casa, morando aqui e acolá de favor, se escondendo da milícia carioca ele e sua família vivem com a incerteza do amanhã, são fugitivos de um sistema que não pune criminosos, mas sim quem os infrenta – mesmo sabendo que sua vida seria essa teve coragem para denunciar um grupo denominado “liga da justiça” que atua no Rio de Janeiro estorquindo moradores do programa Minha Casa minha vida. 

Com a desculpa de dar segurança (certamente a segurança é contra eles mesmos – uma vez que  não pagando, sofrerão as consequências) essas pessoas tiram grande parte do orçamento dos moradores além de os obrigarem a adquirir produtos e serviços de origem duvidosa (gaz, “gatonet”*, taxas extras de condomínio, etc)

Hoje, sem poder colocar as filhas na escola, sem poder dar a elas um quarto de menina, com brinquedos e mobílias adequadas, sem poder, sequer, dizer a elas onde estarão no dia de amanhã o Sr. R segue firme e forte na luta – por muito menos algumas pessoas já teriam se matado ou, literalmente, “jogado a toalha” deixando o assunto de lado. Mas ele é um “Super Pai”, quer ver sua família novamente sob um teto, um lugar para chamar de seu e criar raízes.



Ele é alguém que não dá o “braço a torcer”, que não se prostra diante dos problemas. Já buscou ajuda em todos os cantos desse país.  Com Políticos ainda titulares de mandato, participou de reuniões e conferências sobre o assunto, foi atrás de Governadores, Ministério da Justiça, Ministérios Públicos e Defensorias Públicas, Juristas e implorou por um Advogado que olhasse por sua causa mas ninguém se manifestou favorável.

Do mesmo lado da história, com papéis distintos, encontra-se o Padre Pedro Stepien. O Sr. R e muitas outras famílias encontrou nele um refúgio. O padre agarrou a causa para si, coisa que nenhum outro brasileiro fez apesar dos pedidos de ajuda (e foram muitos).  Ninguém quis correr riscos, todavia o Padre Polonês Pedro não se acanhou com o imenso perigo que estaria correndo e ajudou e segue ajudando essas pessoas, hoje sem teto.

Fornece-lhes abrigo e os direciona.  Participa com eles de reuniões, busca soluções junto a órgãos públicos, isso e muito mais que fez e faz pelas famílias rendeu-lhe apenas ameaças, vindas, certamente, da milícia que é a parte incomodada.

Uma notícia recente do G1 DF (por Raquel Morais) dá-nos conta de tudo isso que ele vem sofrendo via mensagens de celular.

É aterrador saber que se vive num país onde prolifera a insegurança. Já não basta termos que pagar por tudo e com altos impostos?  Se pagamos por tudo, seria justo pagarmos mais para assegurar nossas vidas, nossos lares e nossas famílias?

O pior é saber que essas pessoas que exigem dinheiro para “garantir” segurança são, a maioria das vezes, o próprio corpo da segurança pública do Estado. 

Alguém poderia explicar em que mundo vivemos?  Que moral esses “marginais” tem de representar a segurança do Estado se em suas horas vagas ameaçam para “segurar” e assegurar mais ganhos? 

Vergonhoso fazer parte de uma nação onde o governo permite isso e ainda, não raras vezes, participa do esquema mesmo que seja “fechando os olhos”, nada fazendo.

Para saber mais do assunto envolvendo essas famílias fugitivas do Campo Grande no RJ, leia os seguintes artigos publicados, por mim no JusBrasil, em 2015:




Vídeo do SBT

*Gatonet = "gato" de internet, ou seja, gambiarra ou ligação clandestina de sinal
Postar um comentário