29 de janeiro de 2016

"Faceglória", a rede social dedicada aos evangélicos, onde você troca o "curtir" pelo "amém"


Artigo editado em 29/01/2016

A rede social "Faceglória" conta hoje com 6 meses de criação - é muito jovem ainda para se falar num futuro promissor.

Sua criação e nomeação foram baseadas no Facebook.  Até seu nome vem sendo motivo para contestação uma vez que remete, faz lembrar e até poderia ser "confundida" com a famosa rede social que a inspirou.  

No entanto, não vemos motivos para o Facebook (Zuckerberg) contestar na justiça o uso de sua marca uma vez que a nova criação nunca será páreo para a "antiga" e renomada marca.  Se os motivos da nova criação foram levar os cristãos para uma rede "pura""evangélica" e de "princípios cristãos" esqueça - duvidamos muito que os "cristãos" queiram deixar os seguidores e a popularidade de seus posts para cambiar de rede social.  Hoje a fama é uma coisa muito importante na vida de uma pessoa  - inclusive para quem se dedica a "seguir os mandamentos de deus".  O povo hoje vive na "corda bamba" - um pé no céu e o outro no inferno!  Gritam aos 4 cantos a "palavra de deus", mas mata, rouba, são corruptos e intolerantes com o próximo, mentem, enganam, não são generosos, fofocam, botam chifre, fornicam e quando não praticam o linchamento é favorável a ele. Muitas dessas coisas conseguimos ver no facebook por meio de suas atualizações e curtidas do "amigo" cristão e do não cristão.

- Portanto, será mesmo que trocariam as centenas de "curti" para alguns poucos "améns"?

Acreditamos que não!

A maioria cristã, em especial a "galera jovem", nunca deixará os "aplausos" falsos da uma rede social secular, cheia de gays, ateus, agnósticos e falsos moralistas para ir para outra que é hoje, ainda mais apagada que o antigo orkut.

O seu próprio criador, digo "copiador"  (Átilla Barros) que não teve criatividade suficiente para criar uma marca própria, valendo-se da marca e dos recursos de um Ateu para "inventar" a sua, já deve estar arrependido pela falta de popularidade que ela enfrenta.  Apesar de ter havido um projeto em 2012, foi somente em junho de 2015 que ele foi lançado - justamente na "marcha para Jesus" da referido ano; hoje conta com pouco mais de 100 mil usuários mas com muitos sonhos de passar na frente da rede social que a inspirou.


Abaixo uma reportagem sobre o assunto na época do lançamento

Surgiu, neste mês, uma nova rede social focada no público evangélico, o FaceGlória. Semelhante ao Facebook, mas com o “curtir” virando “amém”, o site não traz muitas inovações além do público alvo, já que existem algumas redes cristãs na internet – sejam elas focadas em relacionamento amoroso, como o Divino Amor e a Amor em Cristo, ou apenas na socialização dos usuários, como a Rede Social Cristã ou DNA Gospel. A diferença é que, em pouco tempo, o FaceGlória já conta com 50 mil usuários que buscam uma rede social com menos “baixaria e promiscuidade”, segundo os criadores.
FaceGlria a rede social dedicada aos evanglicos onde voc troca o curtir pelo amem
A rede social foi lançada em junho visando pegar carona em um dos eventos que mais mobiliza fiéis evangélicos no país, a Marcha para Jesus – que reuniu cerca de 340 mil fiéis em São Paulo na última quinta-feira (4). Outro acontecimento que ajudou a conseguir mais usuários foi a polêmica envolvendo a propaganda de O Boticário. Uma das formas de divulgação foi através de cantores gospel que aderiram à rede social e convidaram as pessoas a conhecer o site. Um exemplo é a interprete Aline Barrosque está divulgando a página.
O FaceGlória é aberto para qualquer usuário, no entanto, as limitações dizem respeito aos conteúdos das postagens. Pornografia, palavrão, fotos que mostrem o consumo de álcool, cigarro e outras drogas, cenas de violência, beijo gay, são alguns dos conteúdos que serão vetados. Por outro lado, a equipe que fiscaliza a rede social cristã não excluirá contas de usuários que colocarem conteúdos como fotos de mães amamentando ou mulheres de biquíni. Até uma plataforma de paquera, chamada “Namoro Evangélico”, será criada para o FaceGlória.
Ainda em fase beta, a rede já conta com recursos como publicação de fotos, de linhas de texto, buscas por amigos, chat e um player no canto superior direito que reproduz várias músicas de cantores gospel. Funções como o envio de áudio e vídeo ainda estão em desenvolvimento. Além disso, como o site ainda está em testes, ainda são encontrados alguns bugs e travamentos.

Conclusão

Uma rede social assim era o que faltava no Brasil, todavia deveria ter sido criada e não copiada, afinal é para ser algo distinto da do mundo secular - e vamos e convenhamos que não há nada mais secular que o facebook. Maquiá-lo com um nome distinto e recursos iguais, só que com denominações cristãs, não tem nada de original e evangélico, além do mais não "chama ninguém", pois uma vez "viciado" em coca cola a pessoa dificilmente trocará por  Refri Cola; Judá cola ou Pepsi cola - o Facebook é a coca cola da vez!
Fonte: verdinha notícias
Comentários: Elane F. De Souza OAB- CE 27.340-B
Foto/Créditos: G1. Globo. Com

Postar um comentário