15 de setembro de 2015

"Preto não pode ter BMW", pelo menos é o que pensam alguns

Uma notícia que li hoje tinha como tema o seguinte: "mulher é detida por estar conduzindo BMW e ser negra".
Preto no pode ter BMW pelo menos o que pensam alguns
Apesar disso não ter se passado no Brasil, mas na cidade de New York, fez-me recordar de outro assunto que foi tema, já há algum tempo, na TV brasileira (não me recordo qual foi a emissora) - o assunto era parecido só que "distinto".
Dois rapazes, um de pelé Branca e outro Preta (1)*, foram enviados a concessionárias luxuosas de uma metrópole brasileira, onde eram vendidos os carros mais caros da cidade (BMW, Lamburguinni, Ferrari, Mercedes, etc); com a finalidade de fingir interesse por um veículo da loja.
Imaginem quem teve um melhor tratamento? Tá na cara que foi o branco; no entanto, o que realmente tinha condições de adquirir o carro era o de cor preta, já que se tratava de alguém de muitas posses se passando por um simples interessado, exatamente como o outro.
Quando me referi: "tá na cara que foi o branco", no parágrafo anterior, queria apenas frisar, como nós, brasileiros, também somos racistas - iguais aos americanos ou ainda piores.
Certa vez, publiquei aqui no Jus, um artigo que falava sobre o mesmo assunto. Discriminação que sofrem os negros (pretos*) em relação aos brancos. Duas crianças, de cores distintas, foram colocadas numa praça movimentada de São Paulo como se estivessem perdidas. Adivinhe com qual delas os "passantes" se preocuparam? A resposta é a mesma que dei acima para o "interessado nos carros de luxo".
"Certamente" a branquinha era a menina perdida e a negra era, simplesmente, mais uma criança que perambula pelas ruas das grandes cidades - por que deveríamos nos preocupar por ela? Triste, mas grande parcela da população pensa assim!
Mesmo os de pelé negra e parda tem preconceito com os da mesma cor. No texto que citei fiz uma indagação: "Faça um teste honesto com você mesmo"!..., imagine você sendo vendedora em alguma loja de roupas de grife ou carros luxuosos! Quem você atenderia se aparecesse de uma só vez um branco e um negro?
Nem vou dizer qual seria a resposta, ou pelo menos o pensamento e atitude da maioria no caso concreto.
Fato! O preconceito está na maioria de nós, quer queiramos ou não!
"Ahhh, eu não tenho preconceito contra negro", todavia se coloque numa situação como a que foi citada anteriormente, quero ver se passa no teste.
É por essas e outras que alguns policiais agem como agiu esse de New York.
Negros não compram BMW!
E se essa negra fosse a Oprah Winfrey, todos, de imediato a conheceriam e o tratamento seria bem distinto - mas ela era apenas mais uma negra desconhecida, banqueira e rica, todavia não estava na mídia todos os dias como Oprah - as pessoas valem pela cor, mas também pelo que são!
Um negro conhecidamente rico (famoso) tem tratamento distinto de um negro rico, porém desconhecido da mídia e do povo - acredito que, no caso do negro/famoso e rico o tratamento é contrário - o branco é quem seria o discriminado; portanto estou quase por admitir que as pessoas valem pelo que tem e são!
Para finalizar, infelizmente teremos que admitir que todos nós temos algum tipo de preconceito arraigado. Seja ele, "Gordofobia, Magrofobia; feiofobia, pobrofobia; homofobia; negrofobia (preconceito racial); psicofobia; anãofobia; ateofobia; cristofobia, etc (2*). Em pelo menos um desses iremos nos encaixar, o difícil é assumir!
(1) Negro é a soma de pretos e pardos, portanto a cor da pessoa é preta, segundo IBGE;
(2) Os nomes das fobias citadas, a maioria delas, é de minha criação, não sei se existem de verdade, o fato é que as fobias, os preconceitos SIM, eles existem.
Fonte: citei o GADOO. Com no caso da mulher negra
Autoria: Elane F. De Souza OAB-CE 27.340-B (ao citar ou copiar cite a fonte)
Foto/Créditos: site Gadoo. Com. Br e a notícia citada


Postar um comentário