4 de setembro de 2015

Pastor se utiliza da religião para "pregar a intolerância", inclusive contra outras crenças

A maioria do povo brasileiro, em especial os jovens que seguem alguma fé cristã, devem conhecer o Pastor Lúcio Barreto. Mineiro, de Belo Horizonte, com seus quarenta e poucos anos é ainda um "rapazinho", pelo menos é como gosta de se parecer; além do mais se veste como um adolescente e consegue "arrebatar" multidões para seus "cultos shows".
Lucinho Barreto, como gosta e é chamado, é "louco por Jesus". Vende camisetas com esses dizeres, e cheira a bíblia como se ela fosse "cocaína". Atitude que chega a ser ridícula para muitos, no entanto, para ele, é a forma mais eficaz de "captar" jovens para seguí-lo cegamente!
Pastor se utiliza da religio para pregar a intolerncia inclusive contra outras crenas
Qualquer um que deseje saber e ouvir mais acerca de seus cultos é só acessar o youTube que verá a forma como se utiliza dos jovens em suas pregações, a forma intolerante como prega!
Veja um trecho que foi extraído do seu perfil na fã page oficial, onde diz pregar o amor, no entanto esse amor é entre eles - quem crê no mesmo que ele professa!
"Eu sonho ver a juventude mundial rendida a Cristo". O pastor Lúcio Barreto Júnior, mais conhecido como pastor Lucinho, vai além do sonho. Ele tem dedicado sua vida para evangelizar, preparar e equipar jovens e igrejas a falar do amor de Jesus e viver este amor com intensidade.
Abaixo um artigo do pragmatismo político
A intolerância religiosa voltou a ser um dos assuntos mais discutidos no país desde que uma menina de 11 anos foi atacada com uma pedra na cabeça, quando saía de um culto de candomblé, no Rio de Janeiro. Segundo a família da vítima, a agressão partiu de um grupo de evangélicos.
Decididos a chamar a atenção para o problema, grupos ligados aos direitos humanos têm denunciado nas redes sociais discursos de apologia à violência dentro das próprias igrejas. Um deles vem de um pastor de Minas Gerais, conhecido pela série de polêmicas ligadas à maneira nada convencional que costuma utilizar em suas pregações.
Lúcio Barreto Júnior, conhecido como Pastor Lucinho, se autointitula “uma das referências atuais da juventude brasileira”. Em uma das fotos de divulgação em seu site, ele aparece com o nariz encostado na bíblia, como se nela houvesse cocaína e ele fosse um usuário da droga. Em um de seus vídeos, ele assume que coordenou um grupo de adolescentes para atrapalhar um evento que chamou de “festa do capeta” em um “centro de macumba”. “Vamos dar um busca e apreensão no preto velho”, afirmou.
Em outra gravação, pastor Lucinho faz declarações polêmicas e incita a violência policial. Um jovem pergunta a ele se matar em serviço é pecado, no caso dos policiais. “Vamos ler a bíblia, então, porque Lucinho é achômetro, mas a bíblia é palavra final”, responde o líder religioso.
Em seguida, diz: “Então, chegou o momento, tem que usar o revólver, não tem jeito, irmão, pega o revólver e, ó, não dá pouco tiro não, dá muito tiro, descarrega o tiro. Quando acabar de dar tiro, joga o revólver na cara, joga o que tiver. Se tiver uma arma do Rambo, sapeca tiro no povo”.
É faca na caveira mesmo. E vamos arrepiar o cabelo do sovaco deste povo, porque temos filhos. E a gente tá pondo filho neste mundo é pra quê? Pro bandido vir… Não, senhor”, diz em um dos trechos.
Autoria e Comentários: Elane F. De Souza OAB-CE 27.340-B
Foto/Créditos: G1 Globo. Com


Postar um comentário